banner2018

banner2018

Seguir

Google+ Followers

IMPERDIVEL!!!!

siga por e-mail

26 de abr de 2010

Utilidade Pública - Gripe Suína

Fonte: r7.com
Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Saúde/Notícias

Icone de SaúdeSAÚDE

Arte/R7
publicado em 19/04/2010 às 14h00:

Veja como ficou o calendário de vacinação contra gripe

Problema na distribuição obrigou governo a alterar as datas de imunização
Do R7
  • Texto:
O Ministério da Saúde alterou o calendário de vacinaçãodos idosos contra a gripe comum em três regiões brasileiras: Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste. Veja como ficaram as datas em que você precisa ir aos postos para se imunizar contra essa doença e também contra o vírus A (H1N1), causador da gripe suína.
Grupos PrioritáriosData da vacinação
Gripe suína:
- Gestantes
- Doentes crônicos
- Crianças de seis meses a menores de dois anos
- População de 20 a 29 anos
Até 23/04
- Pessoas das regiões Norte e Sul que tenham mais de 60 anos se vacinam contra a gripe comum. Aqueles com doenças crônicas também serão vacinados contra a gripe suína.24/04 a 07/05
- Pessoas das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste que tenham mais de 60 anos se vacinam contra a gripe comum. Aqueles com doenças crônicas também serão vacinados contra a gripe suína.(*)
08/05 a 21/05
Gripe suína:
- População de 30 a 39 anos
10/05 a 21/05
* Idosos que tenham doenças crônicas que quiserem se adiantar e já se vacinar contra a gripe suína podem ir aos postos já a partir do dia 24 de maio, mas precisam lembrar de voltar ao local entre 8 e 21 de maio para tomar a dose contra a gripe comum.

19 de abr de 2010

Entrevista do Mês - Os benefícios de treinar kung fu!

Continuando com a nossa de serie de entrevistas, onde em primeiro lugar estamos entrevistando os nossos alunos sobre os benefícios que a pratica do Kung Fu na Bruce Lee tem trazido para os mesmos, este mês o aluno entrevistado é o Aluno RICARDO MONTEIRO DA SILVA, 19 ANOS, EX-ALUNO DO COLÉGIO MILITAR E ATUAL ACADÊMICO DA UNIP- MANAUS, vamos ver o que o nosso bruceliano tem a dizer:

ABLKW: Por que você começou a treinar kung fu?
Ricardo:Porque sempre tive muita admiração pela Arte devido aos filmes e por indicação de amigos.
ABLKW: Você tinha alguma restrição quanto aos treinamentos?
Ricardo: Não 
ABLKW: Quando você começou a treinar como estava a sua saúde pessoal?
Ricardo: Não estava em boas condições, mas isto só pude observar depois que comecei a treinar, minha qualidade de vida melhorou.
ABLKW: Quantos kilos você pesava quando começou a treinar e qual a sua altura?
Ricardo: 120(cento e vinte) kilos e 1,74(um e setenta e quatro) mts de altura.
ABLKW: Quando você começou a treinar?
Ricardo: Fevereiro de 2008
ABLKW: Quantos kilos você pesa agora?
Ricardo: 90 kilos
ABLKW: A perda de peso deveu-se a que?
Ricardo: Principalmente aos exercícios, e em segundo lugar a melhoria dos meus hábitos alimentares.
ABLKW: Isto quer dizer que você reduziu a quantidade que comia e mudou os habítos alimentares?
Ricardo: Um pouco dos dois, principalmente mudei os hábitos alimentares, optando por comer regularmente e alimentos saudáveis, ou seja cortei os xs - qualquer coisa, mas não diminui a quantidade que comia ou seja não fiz dieta alguma. 
ABLKW: Você recomendaria o Kung Fu para os seus amigos, que tem o mesmo estilo de vida que você tinha(COMER DEMAIS, BEBER DEMAIS, ESTUDAR DEMAIS, JOGAR VIDEO GAME DEMAIS).
Ricardo: Recomendaria com a oberservação de que este realmente não é um caminho facíl.
ABLKW: E agora quais são os seus objetivos para o futuro?
Ricardo: Agora no momento são me graduar como professor em Kung Fu Shaolin Garra de Águia na Bruce lee, e  me formar em Bio-Medicina, depois vem mais, mais isso é depois.


Bem amigos este é o Ricardo, exemplo de persistência e determinação para todos nós!


13 de abr de 2010

III Conf-Nacional-Escolha dos Delegados Municipais

Conferência Nacional 1

Esta história vai longe, aconteceu no auditório da Vila Olímpica de Manaus,  dia 27/03/10 ás 10hs00, a etapa da III Conferência Nacional Livre promovida pela ADA, com a participação das Federações Amazonenses e de alguns atletas, onde debateu-se propostas para serem encaminhadas para III Conferência Nacional de Esportes.
A principal proposta: 
A mudança da Lei de Incentivo ao Esporte de maneira que contemple a Região Norte. Divisão dos recursos recebidos pelas Confederações com as Federações Estaduais.  
Neste dia foi também, definido um projeto que será encaminhado ao Governo do Amazonas para o Esporte Amazonense, tendo como estratégia a Olímpiada de 2012 e 2016, bem como, sobre eventos de grande e médio porte para a cidade sub-sede da Copa de 2014. Manaus. Esteve presente neste dia o o nosso amigo, administrador do Estádio Vivaldo Lima, Ari que falou a todos os presentes da importância deste evento para o nosso estado.

Conferência Nacional 2
Aconteceu no dia 08 de abril de 2010, no Auditório do Colégio La Salle com início as 14h00 e término as 23h00, a etapa da Conferência Nacional promovida pela Secretária Municipal de Esporte, onde foram eleitos os delegados que representarão a cidade de Manaus na Conferência Estadual que deverá acontecer nos dias 28 e 29 de abril, quando então serão escolhidos definitivamente os representantes do Amazonas na grande Conferência Nacional em junho próximo, a escolha dos representantes manauaras como sempre foi muito concorrida, primeiro foi feito a lista de assinatura dos presentes que tinha em torno de 450 pessoas das mais diferentes representações das classes desportivas, do lazer, da terceira idade, das faculdades, das federações, das confederações, das ligas e etc..tudo aconteceu no ambiente mais democrático possível, onde foram debatidos os (dez) temas abaixo discriminados, no final foram escolhidos 46(quarenta) e seis delegados onde tive a felicidade ser um dos escolhidos.

Os temas debatidos foram:

1. Sistema Nacional de Esportes e Lazer
O projeto de lei do novo Sistema deverá ser elaborado e aprovado, a partir das deliberações da II Conferência, os conceitos das dimensões esportivas definidos, a estrutura e organização, os níveis de atendimento e a natureza dos serviços que assegurem a ampliação do acesso aos bens culturais relativos ao esporte e lazer devem ser materializados. Aqui se propõe caminhos concretos para a estrutura geral do novo Sistema.

2. Formação e valorização profissional
Para a formação no esporte e lazer, deverá ser preservado o caráter multiprofissional e multidisciplinar da área, abrangendo as práticas esportivas, recreativas e de lazer até as de alto rendimento, na busca da garantia da democratização do acesso, da inclusão e desenvolvimento humano. Nessa linha propõe-se que a formação esteja articulada com a valorização profissional para que se assegurem melhores condições para atuação no Sistema.

3. Esporte, Lazer e Educação
A relação intersetorial de políticas de esporte e lazer com a educação, a saúde, a segurança pública é o ponto de partida para legitimar, fortalecer e ampliar o alcance dos programas desenvolvidos pelo Ministério do Esporte, bem como favorecer a inclusão social. Aqui se propõe caminhos para fomentar a educação esportiva dos brasileiros e dinamizar a relação da população com o esporte educacional, recreativo e de lazer.

4. Esporte, Saúde e Qualidade de vida
A democratização do acesso ao esporte e lazer, assim como a prática freqüente de atividades físicas pode contribuir para melhorar a qualidade de vida da população. A partir desse entendimento e de uma visão intersetorial, conclui-se que o esporte e lazer devem ser considerados na perspectiva de uma política pública urbana. Aqui se propõe que os espaços urbanos possibilitem a realização de atividades físicas e de lazer, bem como seu acompanhamento profissional de modo que a saúde e o desenvolvimento social estejam contemplados.

5. Ciência, Tecnologia e Inovação
O desenvolvimento da Ciência e Tecnologia é fundamental para a promoção do esporte e lazer como áreas em constante aprimoramento.
Possibilitar a produção, o registro e a socialização do material de pesquisa esportivo e de lazer garante a autonomia e crescimento do país como potência esportiva. Aqui se propõe caminhos para produzir fundamento teórico para as políticas públicas de esporte e lazer.

6. Esporte de Alto Rendimento
Tornar o Brasil uma potência olímpica e paraolímpica requer o investimento na profissionalização técnica e de governança esportiva, na formação de atletas da base ao alto rendimento e nas condições de desenvolvimento de uma cultura olímpica. Aqui se propõe ações que estruturem de forma alinhada as modalidades esportivas de alto rendimento possibilitando saltos de qualidade e resultados de competitividade de alto nível.

7. Futebol
O futebol se construiu ao longo da história brasileira como um grande fator de mobilização. Aqui é entendido para além de uma modalidade esportiva, mas como patrimônio cultural que deve ser preservado e desenvolvido. Garantir as condições do futebol como tradição reconhecida da população significa reconhecê-lo como política pública que fortaleça suas instâncias de participação e também qualifique sua profissionalização.
Essas são condições fundamentais para que o povo tenha espaços e possibilidades de acesso qualificado para a vivência do futebol.

8. Financiamento do Esporte
A ampliação e diversificação dos recursos para o esporte é crucial para garantir o seu desenvolvimento. Mobilizar as instâncias de poder para a alocação suficiente de recursos no financiamento do esporte e lazer é emergencial. Assim, propõe-se que aqui se discuta meios para materializar a vinculação do esporte e lazer nos orçamentos, além de concretizar a democratização na distribuição desses recursos.

9. Infraestrutura esportiva
Ampliar e modernizar os equipamentos de esporte e lazer no país é uma das condições básicas para a garantia da democratização do acesso ao esporte e lazer. Requer um conjunto de ações articuladas que garantam além do padrão de qualidade na construção, da adequação para determinadas atividades especificas, uma política de ocupação que permita a gestão compartilhada e auto-sustentável que qualifiquem esses espaços nas cidades.

10. Esporte e Economia
O esporte é um elemento importante de desenvolvimento econômico do país, movimentando diversos setores e promovendo oportunidades. Reconhecer o potencial econômico do esporte requer o conhecimento dos potenciais da cadeia produtiva do esporte e implica em incentivos ao empreendedorismo no setor. Propõem-se aqui meios para conhecer e expandir os desdobramentos econômicos do setor e dotar o Brasil de uma indústria desenvolvida no esporte.

Conferência Nacional 3
Aconteceu hoje no Auditório do Parque do Idoso, a reunião dos Delegados Amazonenses, para o estudo e aprimoramento das propostas visando a Confererência Estadual. Estamos lá lutando para que o KUNG FU mais uma vez esteja presente nesta Conferência que é tão importante para o nosso Estado.